Categoria: Terapia da Fala

caligrafia

Será o meu filho “imaturo” para a escola primária?

Por norma e segundo o sistema educativo português, todas as crianças entram no 1.º ciclo quando fazem 6 anos. Contudo, nem sempre as crianças estão preparadas para esta nova fase das suas vidas, o que deixa pais e educadores bastante apreensivos.

Crianças em idade pré-escolar com distúrbios de fala, perturbações da linguagem e com dificuldades a nível da consciência fonológica (capacidade metalinguística para identificar e manipular os fonemas ou sons que constituem a língua materna), muitas vezes experimentam problemas de aprendizagem de leitura e escrita quando entram na escola. Outros indicativos incluem:linguagem infantil; falta de interesse pela leitura partilhada de um livro; dificuldade em compreender instruções simples e os nomes das letras (inclusive a lembrança das mesmas); incapacidade de reconhecer ou identificar o seu próprio nome.

Com 5 anos de idade é esperado que uma criança comece a reconhecer algumas letras e consiga escrever o seu nome, numa primeira fase a copiar e depois espontaneamente. Nesta etapa da vida é crucial conversar, brincar e ler em conjunto. Experiências adquiridas durante o período pré-escolar, como falar e ouvir, preparam as crianças para aprender a ler e a escrever durante os primeiros anos do ensino primário. Isto significa que as crianças que entram na escola com fracas habilidades verbais são muito mais propensas a ter dificuldades de aprendizagem, do que aquelas que não o fazem.

Alguns casos relatados pelos pais e educadores como “o meu filho troca o f pelo v” ou “fala muito depressa e atrapalha-se” podem ser situações transitórias, que podem ser facilmente ultrapassadas quando encaminhadas para o acompanhamento de um profissional especializado, neste caso de um Terapeuta da Fala.

Devemos ter em conta a presença de antecedentes familiares de dificuldades de aprendizagem, pois vários estudos apontam para fatores hereditários em muitos dos problemas que causam dificuldades em aprender. A intervenção precoce é crucial, sendo mais benéfica quando começa no início do período pré-escolar, uma vez que este tipo de dificuldades são persistentes e muitas vezes afetam ainda mais a linguagem e a literacia ao longo do percurso escolar da criança. Quanto mais cedo usufruírem de apoio especializado, maiores as probabilidades de sucesso.

O Terapeuta da Fala tem um papel fundamental na promoção das competências de literacia emergente de todas as crianças e, especialmente, daquelas com dificuldades de aprendizagem. Pode também ajudar a prevenir esses problemas, identificando as crianças em risco de dificuldades de leitura e escrita, proporcionando uma intervenção para corrigir dificuldades relacionadas com a literacia.

Terapeuta da Fala Patrícia Teixeira

Fora da caixa

Revista Hospitalidades – Artigo

Mais-esperanca-na-sua-vida

Uma dor com nome

Há temas que nos são particularmente difíceis de falar, pelo teor sensível do assunto e porque têm uma carga emocional …

Estrelas-do-mar e um escritor

Revista Hospitalidades – Artigo