Perguntas Frequentes

Estas perguntas foram concebidos para proporcionar uma melhor compreensão dos serviços que a Conforsaumen promove.

A quem se destinam as consultas de psicologia?

Uma consulta de Psicologia Clínica ou de Psicologia da Saúde pode ser requerida/útil a qualquer pessoa da comunidade em geral que sinta a necessidade de uma ajuda especializada para lidar com uma situação vista como muito complexa ou, então, para lidar com um funcionamento emocional que, geralmente, traz angústia e sofrimento.

Um tratamento psicológico é muito longo?

Não necessariamente.
Embora cada caso particular implique uma análise cuidada para se estabelecer a forma correta de solucionar em definitivo os problemas psicológicos do paciente, muitas vezes não são necessárias intervenções de longa duração para ter os benefícios de uma intervenção/tratamento psicológico. Por outro lado, existem casos em que se torna aconselhável e necessário um acompanhamento psicológico mais prolongado no tempo/intervenção psicoterapêutica para que os problemas do paciente sejam devidamente resolvidos.

Muitas vezes os próprios pacientes, ao darem-se conta dos benefícios das consultas com o psicólogo, solicitam que o acompanhamento psicológico seja prolongado.

Há sigilo absoluto no que contar ao psicólogo?

Absolutamente.
O sigilo é a base da confiança e é indispensável.
Os psicólogos (como muitas outras profissões) têm o seu código deontológico., devido à sua prática clínica, estão habituados a que os pacientes confidenciem os mais variados aspectos da sua vida privada.

A partir de que idade se consulta um psicólogo? No caso de menores, como se processa?

Um Psicólogo pode ser consultado em qualquer fase do desenvolvimento. Idealmente, procura-se um especialista na fase de desenvolvimento pretendida. No caso de ser menor quem pede a consulta é geralmente o encarregado de educação ou tutor, podendo o seguimento ser realizado só à criança ou em conjunto com os pais.

Gostava de consultar um Psicólogo mas não sei o que dizer na 1ª consulta. Esta situação é comum?

Sim, é natural que na primeira sessão sinta algum receio e constrangimento em falar sobre si e o que o leva a consultar um psicólogo. No entanto, não se deve esquecer que está perante um profissional, que o vai ajudar a ultrapassar esse e outros receios. O mais importante é ter tomado a decisão de iniciar a terapia, a partir daí a confiança que ganhar com o técnico vai ser o suficiente para se sentir mais tranquilo e à vontade para falar de si.

A partir do momento em que vou ao Psicólogo, vou saber o número de vezes que terei de voltar?

Nas primeiras consultas o seu psicólogo vai conhecê-lo e ouvir as razões que o levaram a procurar ajuda. Em conjunto e sempre com a sua concordância vai definir uma periodicidade para o acompanhamento (semanal, quinzenal, etc.). Os resultados vão surgir na construção da relação que estabelecer com o seu psicólogo, no entanto, a decisão de continuar na terapia será sempre sua. Não há um tempo definido desde o primeiro dia mas, pode haver uma previsão do que poderá ser o seu apoio terapêutico.

Sei que preciso consultar um Psicólogo e que existem diferentes formações, como é que eu faço para escolher?

Efetivamente uma licenciatura em Psicologia tem um tronco comum mas a partir de um determinado momento (varia de faculdade para faculdade) o estudante terá de optar pelo ramo que mais lhe interessa. Na generalidade existem 3 grandes ramos da Psicologia (Clínica, Educacional e Social/Organizações). Quando consulta um Psicólogo pode não saber exatamente qual é o seu ramo, ainda que frequentemente os Psicólogos que prestam apoio psicológico, sejam psicólogos clínicos. Em todo o caso, é dever do próprio técnico avaliar se o pedido do paciente vai de encontro à sua experiência ou se deve encaminhar para um outro colega.

Como é que eu sei que estou perante um psicólogo credenciado?

Como consta no site da Ordem dos Psicólogos Portugueses “A Ordem dos Psicólogos, como serviço ao público, disponibiliza um mecanismo de pesquisa que permite confirmar a inscrição na Ordem dos Psicólogos, condição legal necessária para o exercício da Psicologia em Portugal”. Para tal basta aceder a www.ordemdospsicologos.pt, e escrever o nome do profissional no local “Diretório” e poderá confirmar se o técnico está ou não autorizado a exercer psicologia. Caso existam duvidas, pode sempre enviar um e-mail para registo@ordemdospsicologos.pt.

Qual é a diferença entre um psicólogo e um psiquiatra?

Logo à partida são formações académicas distintas. Um Psicólogo é licenciado em Psicologia, pode ser de diferentes áreas (Clínica, Educacional ou Social/Organizações), diferentes modelos teóricos e pode ter múltiplas especialidades. Para exercer Psicologia é necessário que o mesmo seja autorizado pela Ordem dos Psicólogos Portugueses. Um Psiquiatra é licenciado em Medicina, cuja especialização é a psiquiatria. Ambos tratam da saúde mental do paciente mas de forma diferente.

Ambos podem receitar medicação?

Nos casos em que seja necessário a intervenção dos dois técnicos, o ideal é existir uma boa articulação entre a Psicologia e a Psiquiatria, sendo que são estes que definem o que o paciente deve seguir como tratamento, ou seja beneficiar de uma intervenção de apenas um dos técnicos ou de ambos.

O que é e para que serve fazer Orientação Vocacional (Escolar e Profissional)?

A adolescência é um período da vida em que o jovem tem que equacionar questões variadas, de entre as quais se incluem aquelas que dizem respeito ao seu percurso escolar e profissional. É comum surgirem dúvidas sobre a organização do sistema escolar, sobre a área a escolher ou a profissão a seguir. A Orientação Vocacional (Escolar e Profissional) pretende incentivar e ajudar o jovem a refletir sobre o seu projeto de vida/carreira em conformidade com os seus interesses, com as suas competências e com as oportunidades existentes quer no mundo da escola, quer no mundo do trabalho.

A Orientação Vocacional (Escolar e Profissional) só está dirigida a alunos do 9º e 12.º ano?

A Orientação Vocacional (Escolar e Profissional) pode ser feita em diferentes fases da vida do jovem/estudante. Geralmente, os alunos do 9º e 12.º ano, são os que mais procuram fazer Orientação Escolar e Profissional, por se encontrarem numa fase de escolha e decisão sobre o seu percurso. Que área/curso vou escolher depois de concluir o 9º/12.º ano? É a pergunta mais comum. No entanto, a Orientação Escolar pode ser feita durante todo o secundário, se o aluno continuar a ter dúvidas relativamente à escolha da área ou curso a seguir ou pode ocorrer mesmo em fases mais avançadas, na faculdade ou já em fase adulta (é a chamada fase de transição de carreira).

A Orientação Vocacional (Escolar e Profissional) é feita individualmente ou em grupo?

Existem as duas modalidades (individual ou em grupo), ou a mais comum no caso de se fazer em escolas ou colégios a modalidade mista. Tudo depende da opção do jovem que inicia o processo de Orientação Vocacional (Escolar e Profissional) e do tempo que quer despender neste processo. É uma decisão tomada em conjunto com o jovem, pais e técnico.

E depois do processo de Orientação Vocacional (Escolar e Profissional), posso continuar a consultar o meu Psicólogo?

Sim, acontece que depois de um processo de Orientação Vocacional (Escolar e Profissional), o jovem se debate com muitas questões sobre as quais nunca tinha refletido. Essa tomada de consciência resulta do processo de auto-conhecimento que o jovem iniciou no processo de Orientação e que nalguns casos, quer continuar a explorar. Nestes casos ou em casos que por um outro motivo se justifique, o jovem poderá continuar a consultar o seu Psicólogo mas agora com outros objetivos.

O que é a terapia da fala?

A Terapia da Fala intervém junto de bebés, crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos nas perturbações da COMUNICAÇÃO. Actua na prevenção, rastreio, avaliação, diagnóstico e intervenção, que pode ser direta (com os utentes) ou indireta (com os cuidadores: pais, familiares, educadores, professores, profissionais de saúde, etc).

O Terapeuta da Fala não intervém apenas nas perturbações relacionadas com a fala e a linguagem, que são dois dos mais complexos e desenvolvidos aspetos do funcionamento cerebral, mas também com o funcionamento auditivo, visual, cognitivo (incluindo a aprendizagem), oro-muscular, respiratório, vocal e de mastigação/deglutição.

O que é Development Coaching?

É um processo de coaching que tem como base o ser humano no seu todo, incluindo a sua individualidade, o contexto social no qual está inserido e o ambiente em que se movimenta. A individualidade inclui os nossos pensamentos e crenças, as nossas intenções, bem como tudo o que está a acontecer-nos a nível psicológico. O nosso contexto inclui a nossa herança cultural, as nossas relações e os grupos a que pertencemos Trata-se de um trabalho profundo, em que o coach tem como objetivo conhecer o cliente, por forma a poder desenvolver um programa único que lhe permita ganhar novas perspetivas e descobrir novas possibilidades.

Há mais alguma pergunta que gostava de ver respondida contacte-nos.

Fora da caixa

Revista Hospitalidades – Artigo

Mais-esperanca-na-sua-vida

Uma dor com nome

Há temas que nos são particularmente difíceis de falar, pelo teor sensível do assunto e porque têm uma carga emocional …

Estrelas-do-mar e um escritor

Revista Hospitalidades – Artigo